Spaghetti Alla Puttanesca – A controversa história de uma receita napolitana


 

“… nas interações em que o indivíduo apresenta um produto a outros, ele lhes mostrará apenas o produto final levando-os a apreciá-lo com base em uma coisa acabada, polida e embrulhada. Em certos casos, se foi exigido muito ou pouco esforço para completar o objeto, este fato será escondido”.
Erving Goffman

 

Se você gosta de tomate, anchovas, azeitonas pretas e alcaparras… Seu problema de fazer uma receita rápida para aquele almoço dominical acabou! Junte todos esses ingredientes e você terá um delicioso molho “alla puttanesca”. No entanto, mesmo que já tenha experimentado essa maravilha da culinária italiana, talvez não conheça a polêmica história de suas origens, que possui três versões que explicam o porquê do seu sugestivo nome.

Mas, antes de contar essas histórias e deixar o leitor com a pulga atrás da orelha para saber qual delas é a verdadeira, vou contar um pouco a minha experiência com essa receita – e vocês irão perceber como eu descobri que essa mistura de ingredientes pode levar um leigo na culinária a crer em algo muito sofisticado e de difícil preparo.

Fui criada comendo macarrão. Na minha casa era todo domingo. Um ditado italiano diz que “domingo sem macarrão não é domingo” (la domenica non è domenica senza la pasta). Quem sempre cozinhou os deliciosos molhos de tomate com suas diversas variações lá em casa foi a minha mãe. Meu pai, até hoje, não sabe nem fritar um ovo. Até que um dia, um tio meu veio com uma receita que só ele sabia fazer, “porque era muito trabalhosa e difícil de acertar”: o molho alla puttanesca. E, por toda a minha infância, eu acreditei que o tal “puttanesca” não era para qualquer um. Meu pai pregava que “só o tio Esteves sabe fazer” – até que minha mãe um dia aprendeu, mas, no imaginário do meu pai foi algo a duras penas e depois de muita observação do meu tio na cozinha. Quanta bobagem!

Junto com essa errônea crença na dificuldade do preparo do molho alla puttanesca, cresci ouvindo apenas a versão machista das origens do prato: a de que eram as prostitutas de Nápoles que o preparavam nos intervalos dos clientes e o ofereciam aos mesmos após o programa. Na verdade, essa versão que chegava aos meus ouvidos tinha uma parte suprimida – a que dizia que isso era possível justamente por seu preparo ser rápido e fácil. Além dessa, outra versão parecida era a de que o delicioso aroma do molho puttanesca que era feito nos bordéis atraía cada vez mais ávidos fregueses…

No que diz respeito às versões da história que ligam o prato ao universo dos prazeres proibidos, existe uma que desbanca completamente as outras e que só vim a conhecer muito tempo depois: o molho teria sido inventado por uma esposa que traía seu marido todas as tardes e que por isso não tinha tempo de preparar o jantar. Assim, inventou algo muito saboroso e rápido de fazer, mas que de tão delicioso, fazia seu marido acreditar que ela havia ficado a tarde inteira no seu preparo e, assim, ele jamais desconfiaria de suas traições.

Hoje eu sou expert no preparo do spaguetti alla puttanesca. E afirmo sem titubear: qualquer pessoa pode ficar craque logo na primeira vez! A combinação dos sabores deste molho é uma explosão ao paladar e você vai poder posar de chef e surpreender a todos no seu próximo almoço ou jantar – sejam eles dominicais ou não. O que acontece é que os ingredientes são tão aromáticos e de sabores tão pronunciados que o molho pega gosto no mesmo instante em que é preparado. Daí a rapidez do seu preparo aliada à ideia de que algo tão maravilhoso deve ser muito demorado e trabalhoso para ser feito.

Então, para você se inspirar, deixo aqui minha receita e também uma lista de palpites de dois lugares, um no Rio de Janeiro e outro em São Paulo, onde você pode provar o prato – e comprovar que você ficou craque de primeira no spaghetti alla puttanesca. E todo mundo vai achar que você cozinhou a tarde inteira…

Ingredientes:

500 gramas de tomates maduros
6 dentes de alho
½ copo de azeite
100 gramas de azeitona preta
⅓ de vidro de alcaparras
10 filés de aliche
sal e pimenta a gosto (muito cuidado com sal pois os ingredientes já são bastante salgados!) 

Spaghetti Alla Puttanesca – A controversa história de uma receita napolitana

 

 

Spaghetti Alla Puttanesca – A controversa história de uma receita napolitana

Spaghetti Alla Puttanesca – A controversa história de uma receita napolitana

 

Spaghetti Alla Puttanesca – A controversa história de uma receita napolitana

 

Spaghetti Alla Puttanesca – A controversa história de uma receita napolitana

 

Spaghetti Alla Puttanesca – A controversa história de uma receita napolitana

Spaghetti Alla Puttanesca – A controversa história de uma receita napolitana

Ah, deixo aqui palpites de dois excelentes lugares para você comer um spaghetti alla puttanesca e comprovar que o seu é igualzinho:

1) II Borgo Del Conte – Rua Conde de Irajá, 201 – Botafogo, Rio de Janeiro

2) Cantina e Pizzaria Speranza – Rua Treze de Maio, 1004 – Bela Vista, São Paulo

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Posts Relacionados

Lima e sua rica gastronomia Lima, a capital do Peru, é uma cidade surpreendente. Ao chegar, você se depara com um céu cinza, um trânsito caótico, onde quem buzina mais alto ganha...
Espaguete alla Carbonara – uma receita envolta em ... Minhas origens italianas são 100% napolitanas. Sendo assim, na minha família, desde os tempos das minhas avós, toda a comida feita em casa possui as c...
Maria Carolina Amendolara

administradora de empresas, paulistana com cidadania carioca, mãe de Graziela e Francisco, ama tomar vinho e cozinhar para os amigos, nossa morena encaracolada, e, claro, palpiteira.

VEJA OUTROS PALPITES

2 Comentários

  • Eliezer
    12 de outubro de 2017 at 01:54

    Quero comer isso!

  • Maria Carolina Amendolara
    Maria Carolina Amendolara
    20 de outubro de 2017 at 17:19

    Vai comer dia 23 na casa da Rafa!!!

DEIXE SEU PALPITE

Siga o Palpitando

Os Palpiteiros

Carol, Rafa, Gi, Marcos e Beta

Carol, Rafa, Gi, Marcos e Beta

Somos cinco amigos muito palpiteiros que gostariam de convidar todos para entrar nessa sala de estar virtual e, junto conosco, tornar-se um palpiteiro por aí...